CBR - Confederação Brasileira de Remo

 

Informativos

Prevenção e Tratamento de Lesões no Remo

O remo é conhecido por ser um esporte que pode ser praticado durante toda a vida. Porém, como em qualquer outra atividade, o remo exige cuidados para ser praticado com segurança. A maioria das lesões sofridas pelos remadores estão relacionadas ao excesso de treino, de força ou má postura no barco, remoergômetro e durante a musculação. Os principais locais de lesão são: pulsos, antebraços, ombros, joelhos e costas.

A ortopedista americana Jo Hannafin, médica da seleção americana de remo e membro do comitê médico da FISA, realizou em 2007 uma pesquisa com 398 remadores júnior durante o campeonato mundial da categoria. Ela descobriu que 73% dos atletas sofreram lesões relacionadas ao excesso de treino ou força no remo. Desse total, 28% relataram trauma ou dor intensa, sendo 41% das lesões na lombar na água ou no remoergômetro.

O Diretor Médico da CBR, Roger de Otero, preparou um pequeno guia com as principais lesões relacionadas a prática de remo. O objetivo deste texto é auxiliar os remadores a identificar lesões e buscar tratamento antes que elas se tornem um problema mais grave. Sempre que você notar algum sintoma, informe seu treinador e busque auxílio médico.

Lesões Comuns no Remo, Informativo Médico da Confederação Brasileira de Remo
Pulso – Tendinite
A tendinite é uma forte dor causada pelo movimento repetitivo do pulso durante a remada. Outros fatores que causam a tendinite são o excesso de força na pegada e o punho do remo muito grande para o atleta. O tratamento é feito com mudanças na técnica do remador: punho menor, dedão sobre o topo do punho e troca de posição no barco. Além disso, recomenda-se descanso, gelo, fisioterapia e anti-inflamatórios com orientação médica.

Antebraço – Síndrome Compartimental
Outro problema que pode ser causado pelo excesso de força na pegada é a síndrome compartimental, que causa dor e inchaço no antebraço do remador devido ao aumento da pressão no compartimento muscular. A pegada para segurar o punho do remo deve ser firme e confortável, sem excesso de força ou tensão. Para aliviar a dor, o remador precisa aprimorar sua técnica e diminuir a tensão no antebraço com uma pegada mais leve. Se não for feita a correção na técnica, a síndrome pode necessitar de uma cirurgia.

Cotovelo – Epicondilite
A epicondilite (conhecida como cotovelo de tenista) é uma degeneração dos tendões que se originam no cotovelo, atingindo principalmente os músculos extensores do punho e dos dedos. A dor surge durante a movimentação das pás, principalmente na posição de Ataque. A prevenção é feita com exercícios de fortalecimento e alongamento dos músculos do braço. Para amenizar a dor, os remadores podem colocar gelo no local após o treinamento, evitar a fadiga muscular e utilizar um suporte para cotovelo de tenista.

Mãos – Higiene Local
As mãos também merecem cuidados durante a prática do remo, já que podem ficar com calos e bolhas doloridas. É sempre recomendado que os atletas realizem a higiene das mãos antes de remar. Além disso, os punhos dos remos que são compartilhados devem estar limpos e esterilizados para evitar a transmissão de infecções, bactérias e doenças sanguíneas (a contaminação ocorre através de pequenos machucados com sangramento).

Ombro – Síndrome do Impacto
A Síndrome do Impacto ocorre principalmente quando há excesso de carga e movimentos errados durante o treinamento com pesos, gerando trauma e dor aguda. A síndrome também pode surgir quando o atleta faz o movimento de Ataque de forma exagerada, movimentando o ombro além do necessário. O tratamento é feito com acompanhamento médico através de fisioterapia, repouso e anti-inflamatórios. A prevenção é realizada com exercícios de fortalecimento dos ombros e do tronco. O atleta deve ficar atento a sua técnica para evitar movimentos excessivos e manter uma boa postura durante toda a remada.

Peito – Fraturas nas Costelas
Durante períodos de treinamento intenso podem ocorrer fraturas nas costelas dos remadores. Por acontecer principalmente no clima frio, a dor no peito pode ser confundida com uma tosse forte e atrasar o diagnóstico correto. Os sintomas são: desconforto na caixa torácica, dor aguda durante a respiração profunda, dor quando há mudança de posição do corpo e desconforto em pontos específicos do peito (em uma determinada costela).

O tratamento exige que o atleta modifique suas atividades, ou seja, será necessário parar de remar até que a dor cesse. Caso sinta algum sintoma, procure rapidamente um médico para evitar o diagnóstico tardio, que resultará em um tratamento mais longo. O retorno ao remo será feito de maneira progressiva, com os primeiros treinos no remoergômetro, utilizando pouca força e alternando com outras atividades aeróbicas (bicicleta, corrida, elíptico).

Joelho – Dores no Joelho
Dores no joelho durante a prática do remo são comuns e podem surgir a partir de diversos fatores. Primeiramente, deve-se avaliar a técnica e a postura do atleta para evitar movimentos inadequados dos joelhos. O uso excessivo de força irá comprometer a musculatura da coxa e do quadril, sobrecarregando os joelhos.

A falta de flexibilidade nos membros inferiores também pode prejudicar os joelhos. Exercícios e alongamentos focados nos joelhos e quadril são importantes para prevenir este tipo de lesão. Os treinadores devem ficar atentos a posição dos pés dos remadores, que pode interferir na técnica correta de remada. Outro fator de risco são problemas anatômicos do atleta, que precisam ser avaliados e tratados por um ortopedista.

Costas – Dor Lombrar
Remadores estão suscetíveis a diversos problemas na coluna, que podem ser uma simples distensão muscular de fácil tratamento ou até uma fratura grave, que requer cirurgia e afastamento do esporte. Sempre que houver dor na região lombar, o atleta deve procurar um médico para efetuar o diagnóstico correto e evitar problemas mais sérios.

Os fatores que comprometem a região lombar estão ligados principalmente a técnica e a postura. Os atletas precisam aprender a manter seu tronco estável tanto durante a remada quanto nos exercícios com pesos. O tempo de treino precisa ser controlado para evitar excesso de carga na região lombar. Exercícios de estabilidade, aquecimento e alongamento são essenciais para os remadores, assim como o uso de equipamentos adequados.

Dicas para Treinadores
1. Monitore e mantenha um registro das lesões sofridas pelos atletas.
2. Avalie as principais lesões e quando elas ocorrem, de modo que você possa ajustar o cronograma de treinamento se necessário.
3. Atletas mais jovens costumam sofrer mais lesões durando o período de crescimento.
4. Ensine os atletas a diferenciar dores comuns associadas ao treino das dores relacionadas com lesões (sintomas).

Fonte das Informações: US Rowing, “ Common Rowing Injuries”, Dra. Jo Hannafin

PATROCINADORES

Secretaria Especial do Esporte - Ministério da CidadaniaLei de Incentivo ao Esporte


PARCEIROS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO

MormaiiConforpés


APOIADORES DO REMO BRASILEIRO

Comitê Brasileiro de ClubesWorld CenterNutrigenikDietpro

CONFEDERAÇÃO FILIADA

Comitê Olímpico do BrasilComitê Paralímpico BrasileiroFISAWorld Rowing

Redes Sociais

Facebook - Confederação Brasileira de RemoConfederação Brasileira de Remo - InstagramConfederação Brasileira de Remo - TwitterYou TubeIssuu - Confederação Brasileira de RemoLinkedIn

Conf. Brasileira de Remo

SEDE RIO DE JANEIRO
Avenida Graça Aranha, 145, Sala 709
Centro, Rio de Janeiro, RJ – 20030-003
Telefone: (21) 2294-3342
Telefone: (21) 2294-0225
Celular: (21) 99198-2986  WhatsApp
Segunda a sexta, das 9h às 18h

ESCRITÓRIO FLORIANÓPOLIS
Rua Patrício Farias, 55, Sala 610
Itacorubi – Florianópolis, SC
CEP 88034-132
Telefone: (48) 3206-9128
Celular: (21) 99118-4620
Segunda a sexta, das 9h às 18h